Residência Fish Creek / Edition Office

Residência Fish Creek / Edition Office

© Ben Hosking

© Ben Hosking
  • Arquitetos: Edition Office
  • Localização: Fish Creek, Austrália
  • Arquitetos Responsáveis: Aaron Roberts, Kim Bridgland
  • Área: 294.0 m2
  • Ano Do Projeto: 2016
  • Fotografias: Ben Hosking
  • Construtora: Trease
  • Consultor Engenharia Estrutural: Deery
  • Sustentabilidade: House – Energy Assessment

© Ben Hosking

© Ben Hosking

Do arquiteto. A residência está localizada ao longo de uma cordilheira sinuosa na periferia do pequeno município de Fish Creek. A edificação está rodeada por uma parede texturizada de tijolo em resposta a sua posição exposta aos fortes ventos locais e uma rodovia próxima. Essa larga parede envolve os três pavilhões feitos com madeira escura, como uma manta áspera e espessa, oferecendo abrigo enquanto são assentados no limite inferior da parede, voltados para a linha ondulada e bela da costa de Promontorio Wilsons. Os três pavilhões são separados um dos outros e, desde a borda norte da parede, permite-se que a luz do sol ilumine profundamente uma série de pátios protegidos e com vegetação que oferecem aos espaços interiores relações imediatas com o jardim e o deck. Esses interiores proporcionam uma paleta cálida e robusta de paredes revestidas de madeira, pisos de concreto pigmentados de preto e coberturas da mesma cor.


© Ben Hosking

© Ben Hosking

Ao responder a uma situação paisagística australiana, vemos que é vital que uma conversa ou um diálogo emocional surjam entre a residência, a paisagem e o ocupante. Neste sentido, a residência foi intencionalmente desenhada para ser completamente dissonante do seu terreno e, ao mesmo tempo, inteiramente e profundamente compreensiva com ele. Essa relação de aparente fricção entre a casa e sua localização permite que surja uma brecha entre as características conhecidas e desconhecidas deste lugar. Estabelecendo um primeiro contraste de alta solidez com a paisagem, a residência aparece primeiro como monumento alheio ao seu entorno. Entretanto, depois de uma inspeção mais próxima, as sólidas e brancas paredes ancoram a edificação no terreno de uma maneira muito mais forte que seu volume individualmente. Suas qualidades materiais estão mais em sintonia com a graça e a profunda humildade tanto da paisagem circundante como da comunidade local, que se converteu em uma das principais características definidoras.


© Ben Hosking

© Ben Hosking

Planta

Planta

© Ben Hosking

© Ben Hosking

Sustentabilidade

A residência está construída sobre uma laje de concreto polido com pigmento negro que incorpora uma mistura de cinzas e escórias de resíduos. Essa laje é aquecida hidronicamente através do fogão/lareira de lenha de madeira que também contribui com o sistema de água quente solar da casa. Em resposta às condições do terreno, a residência está orientada ao longo de um eixo norte-oeste, entretanto, se lhe outorga uma importante proteção contra o sol ocidental e logo se separa em três pavilhões independentes para permitir uma exposição direta ao norte em todos os espaços de estar e aquecer passivamente o solo da laje de concreto. A parede protege a casa dos fortes ventos da região e, entretanto, permite uma eficaz ventilação de fluxo transversal. Uma grande tela deslizante foi desenhada com a porosidade suficiente para fragmentar os ventos da zona de proteção adicional ao grande pátio norte. Quando for necessário, 60.000 L de água da chuva são coletados e armazenados no local para abastecer a casa. Todos os resíduos são tratados in situ com um sistema de tratamento de compostagem para o minhocário. Os materiais são especificados com baixo COV e os tijolos reciclados. Um sistema fotovoltaico de 7kw solar é incorporado na cobertura para fornecer energia à residência. 


© Ben Hosking

© Ben Hosking

© Ben Hosking

© Ben Hosking

<

p class=”wpematico_credit”>Powered by WPeMatico

Vídeo aéreo mostra paisagens e ícones arquitetônicos de Singapura

Diversa, verde e vibrante, neste vídeo Singapura é apresentada através de um novo ponto de vista, acima da cidade, que oferece um olhar para sua arquitetura a partir de um ângulo alternativo. O vídeo aéreo em hyperlapse produzido por André Eckhardt leva-nos para a rua, o ar e o mar ao passo que o tempo muda e as pessoas vivem seu dia a dia. Ajustando a velocidade de modo conveniente, Eckhardt alterna entre movimentos rápidos da cidade e momentos de pausa. Enquadrando ícones arquitetônicos de Singapura, como o projeto Bayside de Moshe Safdie, PARKROYAL em Pickering e o Hotel Oasia do WOHA, Gardens by the Bay e a Ponte Helix, Eckhardt traz o horizonte colorido da cidade ao primeiro plano.

Marina Bay Sands / Safdie Architects

33 From the architect. Program 1. Hotel – 2,560 luxury rooms in three hotel towers, totaling 265,683 square meters (2,860,000 square feet) 2.

PARKROYAL em Pickering / WOHA

33 Arquitetos Wong Mun Summ, Richard Hassell, Donovan Soon, Sim Choon Heok, Toh Hua Jack, Bernard Lee, Amber Dar Wagh, Mappaudang Ridwan Saleh, Evelyn Ng, John Paul Gonzalez, Josephine Isip, Goh Kai Shien, Luu Dieu Khanh, Tan Szue Hann, Alen Low, Pham Sing Yeong, Vanessa Ong, Novita Johana, Andre Kumar Alexander Ano do projeto BECA Carter Hollings & Ferner (S.

Hotel Oasia Downtown / WOHA

31 Wong Mun Summ, Richard Hassell, Phua Hong Wei, Bernard Lee, Kim Young Beom, Evelyn Ng, Christina Ong, Huang Yue, Larissa Tan, Chen Shunann, Iyan Mulyadi, Oscar Korintus, Victoria Meadows, Simopoulou Olympia Konstantinou, Donovan Soon, Ang Chow Hwee, Dennis Kwek Projeto Interiores Projeto Elétrico Great Resources M&E Contractor Pte Ltd

Gardens by the Bay / Grant Associates and Wilkinson Eyre Architects

Os Jardins pela Baía (Gardens of the Bay) será o maior projeto de parque de Singapura, central ao desenvolvimento da Marina Bay. Organizado pelo Parque Nacional da Orla de Singapura, os jardins foram projetados por uma equipe composta por dois escritórios: os paisagistas de Grant Associates e os arquitetos de Wilkinson Eyre Architects.

<

p class=”wpematico_credit”>Powered by WPeMatico

Renders do 53W53 de Jean Nouvel mostram como será o novo arranha-céu de Manhattan

Renders do 53W53 de Jean Nouvel mostram como será o novo arranha-céu de Manhattan

Cortesia de VUW Studio

Cortesia de VUW Studio

Novas imagens da torre 53W53, de Jean Nouvel, foram recentemente divulgadas ao passo que se aproxima o prazo de conclusão da obra de 82 pavimentos, marcado para 2018. Mostrando o novo ícone em sua completude, o render apresenta uma estrutura afilada, marcada por sua qualidade escultural e por três pavimentos do espaço da galeria na base da torre adjacente ao Museu de Arte Moderna.

À medida que o 53W53 se ergue no horizonte de Nova Iorque, o esqueleto de concreto constitui a base do sistema estrutural exposto referido por Nouvel como “diagrid”, criando uma silhueta que é uma homenagem ao padrão de torres em altura que povoam o horizonte da cidade. 

As fotos de construção recentemente divulgadas mostram o tipo de revestimento que envolverá a estrutura de concreto e também as vistas que custarão aos novos inquilinos alguns milhões de dólares. 315 metros acima do solo, o condomínio residencial de luxo oferecerá vistas para todo o Central Park e Manhattan, transformando o horizonte da cidade.

Reaching new heights and greater views every day of the week!

A post shared by 53W53 (@53w53) on

Via: Jean Nouvel 53W53.

  <img src="http://feeds.feedburner.com/~r/ArchdailyBR/~4/pcq268-etVc" height="1" width="1" alt=""><p class="wpematico_credit"><small>Powered by <a href="http://www.wpematico.com" target="_blank">WPeMatico</a></small></p>
Facebook confira nossa página !Acesso Imediato!